Emagreça controlando o quando se come

Quantas vezes já escutamos que para emagrecer é preciso comer menos? Porém, é importante saber comer quantidades menores para perder peso de forma equilibrada, já que, caso o contrário, podemos ter carências nutricionais ou inclusive voltar a engordar depois de pouco tempo.

Neste artigo daremos conselhos fundamentais para aprender a comer com sentido comum e conseguir o peso ideal sem grandes esforços ou sacrifícios.

O estomago se adapta

O estomago tem uma virtude maravilhosa: se adapta à quantidade de comida que ingerimos em pouco tempo. Podemos observar como, se nos acostumarmos a comer mais ou menos a determinadas horas, com o passar dos dias o corpo nos pede as mesmas quantidades nos mesmos horários.

Essa característica pode facilitar muito o objetivo ao qual nos propomos. Porém, devemos fazê-lo sempre dando ao corpo todos os nutrientes que precisa, já que, caso o contrário, o organismo poderia reagir de forma negativa e dificultar a perda de peso.

Como fazer?

Para começar a adaptar nosso estomago às quantidades que queremos comer, devemos seguir algumas dicas:

  • Evitaremos passar mais do que quatro ou cinco horas sem comer. É importante não ingerir nada antes de ter feito a digestão da comida anterior, mas também é imprescindível não estar em jejum por muitas horas, já que isso nos leva a comer mais na próxima refeição.
  • Entre as refeições podemos comer uma fruta fresca, um iogurte ou algo à base de cereal integral. São alimentos muito saciantes que, em pouca quantidade, nos oferecem muitos nutrientes.
  • Fora das refeições devemos nos acostumar a tomar muito líquido, água ou infusões, já que muitas vezes a sede se confunde com a fome e nos leva a comer quando não precisamos.

Mulher comendo pasta

Quando a fome desaparece?

Há estudos que demonstram que a fome real não dura mais do que 15 ou 20 minutos. Dessa forma, as pessoas que comem devagar e mastigando bem os alimentos tem a grande vantagem de se saciarem antes daqueles que comem rápido e de forma impulsiva.

Podemos fazer o teste de levar tempo o suficiente e mastigar cada alimento até que esteja quase líquido. Isso melhorará também todo o processo digestivo e nos permitirá comer menos sem passar fome.

A fome emocional

Por que a maioria das pessoas que come muito tem essa necessidade de se encherem para se sentirem satisfeitos? Confundimos a necessidade de comer para saciar a fome com a sensação plenitude que comer muito nos causa.

Em muitos casos, essa necessidade está relacionada com carências emocionais, estados de tristeza e melancolia ou com etapas de estresse e cansaço.

O corpo busca preencher vazios emocionais e obter energia dessa forma, ainda que, se não conseguimos ter um controle sobre o que comemos, os efeitos costumam ser mais negativos.

Comemos alimentos prejudiciais, dificultamos a digestão e, além disso, temos arrependimentos que aumentam o sentimento de culpa.

Mulher que come pouco

A chave está nos 80%

Devemos aprender a encontrar satisfação no fato de poder acabar de comer no momento em que já não temos tanta fome, mas que ainda poderíamos comer um pouco mais.

É nesse instante que costumamos comer o que menos nos convém, mais do mesmo ou alguma sobremesa. Para ter uma ideia aproximada, deveríamos encher apenas 80% de nossa capacidade.

Nos primeiros dias será muito difícil nos determos nesse ponto se não tivermos o costume, mas pode ser muito efetivo recorrer a uma infusão digestiva para aplacar a sensação de vazio.

Em poucos minutos notaremos que a fome desaparece e, com o passar dos dias, o faremos de forma natural.

Além disso, encher apenas 80% tem outra vantagem. Ao não sobrecarregarmos o aparelho digestivo, também não precisamos de um grande descanso para repor as energias, como acontece quando comemos além da conta ou alimentos muito pesados.

Dessa forma nos sentiremos mais ativos e capazes de realizar qualquer atividade pouco tempo depois de ter comido. À noite, nosso fígado funcionará muito melhor, conseguiremos descansar com mais facilidade e acordar com vitalidade e bom humor.


Source link