Ataque de pânico noturno: causas e tratamentos

O ataque de pânico noturno aparece de improviso no meio do sono profundo, segue como sensação de sufoco, taquicardias e transpiração.

De um ponto de vista clínico, é muito comum que apareça em pacientes que também experimentam crises de pânico durante o dia.

No entanto, sabe-se que os ataques experimentados durante as horas da noite são vividos com maior intensidade e sofrimento.

Contudo, é importante indicar um aspecto curioso, 10% das pessoas que sofrem de ansiedade, e que por seu estilo de vida estão sob pressão e com um alto nível de estresse, também podem chegar a sofrer algum ataque de pânico noturno.

Por outro lado, também existem outros núcleos da população que, por fatores pessoais e condições médicas, também são sensíveis a sofrer este tipo de situação.

Estas, em alguns casos, podem se converter em um problema real.

Veja mais a seguir.

Ataque de pânico noturno: quem pode sofrer?

Não costumamos falar muito sobre os ataques de pânico noturnos. Isso é tão verdade que muitas pessoas tomam este tópico como surpresa.

Quando se faz referência aos ataques de pânico é comum imaginar uma pessoa presa ao medo, da paralisia e das taquicardias em qualquer ambiente diurno onde, rapidamente a mente assume que existe um perigo ou um foco de angústia.

De noite, e em um ambiente seguro como é a cama, é difícil imaginar por que teríamos que sofrer com este tipo de situação, e no entanto é mais comum do que imaginamos.

Veja agora quais pessoas são mais susceptíveis de sofrer ataques de pânico noturnos:

  • Pacientes que já sofrem por si só ataques de pânico em qualquer momento do dia.
  • Pessoas que estão imersas em situações de grande pressão psicológica e emocional.
  • Pacientes com hipertireoidismo ou hipotireoidismo
  • Pessoas que sofrem apneia
  • O refluxo gastresofágico também pode gerá-lo
  • Pessoas que acabam de viver um evento traumático: perda de um ente querido, ter superado um acidente ou ter sido testemunha de um…

Quais são os sintomas do ataque de pânico noturno?

Mulher que sofre com ataque de pânico noturno

Os ataques de pânico noturno costumam aparecer na fase não-REM do sono, ou seja, quando nos encontramos mais tranquilos, e curiosamente, mais relaxados (é mais comum que apareça lá para as duas da madrugada).

  • O despertar é súbito e violento, como se alguém ativasse um mecanismo que, de repente, “nos arranca” de nosso descanso.
  • O despertar é acompanhado de uma sensação de medo intenso, de pânico ou fatalidade.
  • Vem acompanhada de sufoco, taquicardias e transpiração.
  • A pessoa costuma ter a percepção de que está nessa situação há muito tempo. No entanto, costuma ser algo muito limitado e breve que nunca excede os 15 ou 20 minutos.

Logo, é importante indicar que estas experiências são vividas com maior desconcerto que os ataques de pânico diurnos.

Surgem do “nada”, no meio do descanso e daquele mundo inconsciente e relaxado onde o que menos se espera é que surja um ataque de pânico.

A falta de controle é, portanto, imensa, e esse desconcerto tende a intensificar ainda mais o medo e o incômodo, e com isso o nível de ansiedade se eleva ainda mais.

O que podemos fazer para enfrentar e reduzir os ataques de pânico noturnos?

Assim como indicamos anteriormente, os ataques de pânico noturnos podem ser causados por vários motivos. No entanto, podemos diferenciar duas grandes áreas: as médicas e as psicológicas.

Ataques de pânico por razões médicas

Mulher que sofre com ataques de pânico sentada na cama

Fatores como problemas com as tireoides, a apneia ou o refluxo podem derivar nestes despertares noturnos tão violentos e desgastantes.

Por isso, é bom aplicar as seguintes estratégias:

  • Explicar ao médico o que está acontecendo.
  • Seguir o tratamento indicado para a doença: problemas com tireoides, refluxo gastresofágico…
  • Averiguar se a medicação que tomamos pode afetar a qualidade de nosso sono.
  • Tentar levar uma vida ativa, o exercício físico é um bom regulador destes ataques de ansiedade.
  • Depois de um ataque de pânico noturno, é recomendado se levantar e fazer alguma tarefa rotineira não estimulante: organizar algo, escovar os dentes ou o cabelo…
  • Não é bom assistir à televisão ou tomar banho, posto que nesse caso não poderemos conciliar o sono.

Ataques de pânico por razões emocionais ou psicológicas

  • Averiguar qual é a origem de nossos problemas emocionais ou o desencadeador da ansiedade.
  • Administrar o mundo emocional com ajuda de um profissional ou mediante adequadas técnicas pessoais de enfrentamento.
  • Antes de dormir praticar alguma técnica de respiração e relaxamento.
  • mindfulness é ideal para administrar estas situações.
  • A ioga também é de grande ajuda.
  • A natação, a dança ou as caminhadas em ambientes naturais são atividades relaxantes e ideais para este tipo de transtorno.

Para concluir, não duvide nunca em colocar em prática o conhecimento dos médicos em qualquer tipo de afecção do sono.

Os transtornos de pânico noturnos têm sempre uma origem biológica ou psicológica que é necessário conhecer.


Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*