5 traços psicológicos das pessoas submissas

As pessoas submissas se caracterizam por não levantar a voz, manter-se sempre em segundo lugar e acatar tudo aquilo que as pessoas mais autoritárias podem demandar.

Em determinadas ocasiões, uma atitude deste tipo pode levar uma pessoa a se envolver em relações prejudiciais nas quais saia claramente machucada. No entanto, mudar esta forma de ser pode ser um pouco complicado.

Não é que este tipo de pessoa não queira deixar de ser submissa, e sim que, pelas experiências que já viveram, adquiriram determinados traços psicológicos dos quais não é fácil se livrar.

Vejamos quais são.

1. As pessoas submissas não são assertivas

Loading...

As pessoas submissas não priorizam suas necessidades nem o que possam querer. Em vez disso, sempre pensam primeiro no que os demais precisam ou desejam.

Sua falta de assertividade as leva, por exemplo, a adotar um papel totalmente secundário em um grupo de trabalho. Tudo isso por causa da grande dificuldade que têm para expressar seus pontos de vista e opiniões.

Embora desejem fazê-lo, se coíbem e elas mesmas se deixam para trás. Acreditam que o que pensam não será levado em conta e até duvidam de suas próprias opiniões, sobre se elas são, na verdade, bobeiras.

2. Seu passado está repleto de dor

As pessoas submissas talvez não tenham nascido com esta maneira de ser e se comportar. As experiências vividas podem ter feito com que, pouco a pouco, fossem se fechando em si mesmas.

Uma infância em que a relação entre os pais não foi saudável, uma adolescência carregada de momentos de bullying, podem ser razões suficientes para quem tem um papel totalmente submisso.

A baixa autoestima e a insegurança que sentem faz com que acreditem que não são úteis se não estiverem se colocando à disposição de outras pessoas.

Isso não é saudável para elas porque se transformam em pessoas muito vulneráveis, a quem qualquer um pode machucar de forma gratuita.

3. Sempre evitam qualquer tipo de conflito

Homem gritando com sua esposa submissa

Loading...

Source link

Loading...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*